Ao passo que a pandemia do novo coronavírus se agrava no Brasil, estados e municípios discutem endurecer medidas restritivas para frear a velocidade de contágio e desafogar sistemas de saúde. Como informa o jornal o Globo, pelo menos duas entidades formadas por cientistas recomendaram a adoção imediata do regime de lockdown em localidades severamente afetadas pelo surto de Covid-19.

O lockdown descreve uma medida radical de confinamento em que apenas serviços essenciais são autorizados a funcionar. A recomendação para que pessoas saiam de suas residências somente para exercer atividades fundamentais se torna uma determinação, e autoridades podem aplicar multas ou advertências para quem descumprir as regras. Isso depende da regulamentação do regime por cada estado ou município.

A Fundação Oswaldo Cruz sugeriu a adoção urgente do lockdown no estado do Rio de Janeiro. O instituto de pesquisa aponta que o regime pode evitar uma “catástrofe humana de proporções inimagináveis para um país com a dimensão do Brasil”. O estado contabiliza 13.295 casos e 1.205 mortes confirmadas em decorrência do novo coronavírus.

“Nós estamos vendo hoje pessoas lotando as emergências sem vaga de CTI. E isso tende a se agravar. Infelizmente, poderemos ver pessoas morrendo em casa, sem assistência médica. Então, a hora de decretar o lockdown é agora, para tentar reduzir essa escalada”, afirmou o epidemiologista Roberto Medronho, integrante do grupo de enfrentamento.

Já o Comitê Científico do Consórcio do Nordeste, comandado pelo neurocientista Miguel Nicolelis, defende o confinamento radical em estados da região com mais de 80% dos leitos hospitalares voltados ao tratamento da Covid-19 ocupados. “O lockdown é eficaz para reduzir a curva de casos e dar tempo para a reorganização do sistema de saúde”, diz um relatório publicado pelo grupo.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, disse nesta quarta-feira (7) que a pasta pode recomendar o lockdown em determinadas localidades. Segundo ele, o governo trabalha em novas diretrizes sobre políticas de isolamento social no país. As orientações, no entanto, ainda devem ser revisadas por integrantes do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass).

Lockdown no Nordeste

As cidades de Belém (PA), Fortaleza (CE) e São Luís (MA) iniciaram nesta semanas regimes de lockdown. No estado do Pará, além da capital, outros nove municípios adotaram a medida. Com validade de dez dias, as determinações limitam a circulação de pessoas e mantém o funcionamento apenas de serviços essenciais, como supermercados e feiras.

Até sábado (9), cidadãos e estabelecimentos que descumprirem as regras recebem apenas orientações das autoridades. A partir do domingo, no entanto, estão previstas advertências e multas no valor de R$ 150 para pessoas físicas e R$ 50 mil para pessoas jurídicas.

Em Pernambuco e no Amazonas, discussões a respeito de regras de isolamento social mais severas são tratadas na Justiça. Já em São Paulo, o Governo do Estado ainda não manifestou planos de instituir o lockdown. O decreto de quarentena expira no domingo (10) e as autoridades devem esclarecer quais as próximas etapas de enfrentamento à pandemia nesta sexta-feira (8).

Na capital paulista, o prefeito Bruno Covas afirmou que o confinamento radical não está nos planos do município, porém admitiu que, se autoridades de saúde acharem necessário, há a possibilidade da cidade aderir ao regime.

Fonte: O Globo